319,579 of 400,000 assinaturas

A Iratxe García, Presidenta do grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D), a Sara Cerdas, eurodeputada do grupo (S&D), a Marisa Matias, vice-presidenta do grupo da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE/NGL) e ao João Ferreira, vice-presidente do grupo GUE/NGL.

Petição

Apelamos aos líderes da EU e aos líderes nacionais que enfrentem com solidariedade, coragem e inovação a crise sem precedentes provocada pela pandemia da Covid-19.

Não queremos um regresso ao modelo económico habitual, que exacerbou as desigualdades sociais, pôs em risco a nossa saúde e deixou o clima e a natureza do nosso planeta à beira do colapso. Em contrapartida, chegou a altura de tomarmos medidas que permitam, de forma célere e radical, tornar as nossas economias mais verdes, mais justas e mais resistentes às adversidades futuras.

Exigimos o estabelecimento do maior programa de investimento verde que o mundo já conheceu, assente em todos os instrumentos financeiros da UE que estiverem disponíveis, para financiar uma retoma que seja verde e justa.

Este apelo baseia-se numa declaração assinada pelas principais ONG ambientais da Europa [1].

Por que motivo é importante

Um quarto dos postos de trabalho na UE estão em risco, e, em Portugal há mais de 343 mil desempregados. [2] Isto é apenas uma amostra da tragédia que ainda está para vir, mas que é já uma realidade para tantas pessoas, que já nem conseguem fazer face às despesas básicas, como a habitação. [3]

A Comissão Europeia está a elaborar um plano de retoma, mas as indústrias poluentes (como as companhias aéreas e as centrais a carvão) estão a chegar-se à frente para terem prioridade na concessão de apoio — graças ao seu enorme poder de lobbying. Querem a maior fatia do bolo... e pretendem aproveitar esta crise para conseguir um desagravamento das exigências ambientais. [4]

Este plano de retoma está a ser negociado neste momento. Sejamos claros: no plano, é necessário dar prioridade à tragédia que as pessoas estão a viver, em detrimento das companhias aéreas, da indústria automóvel, da indústria dos plásticos e de outras indústrias poluentes. Importa frisar que a retoma económica não pode ser feita à custa de mais poluição: a poluição aumenta a letalidade do coronavírus. [5]

Este autêntico Plano Marshall, [6] concebido para fazer face à crise económica, não pode replicar os erros dos resgates efetuados após crise financeira de 2008: não podemos salvar bancos e empresas à custa dos trabalhadores, das pessoas e do planeta.

Desta vez, porém, é diferente.

Pouco antes do início do surto de coronavírus, a Comissão Europeia estava a preparar um acordo Verde Europeu: um pacote de medidas para orientar a transição da Europa para uma economia justa e verde.

A atual recessão económica, que em breve se agravará, demonstra a profunda necessidade de um pacote desta natureza: e, na verdade, há 17 países, incluindo Portugal, que já estão a pressionar a Comissão para esta alicerçar o plano de retoma no Acordo Verde! [7] No entanto, é necessário não só executar totalmente este plano fundamental, como também intensificá-lo e expandi-lo.

Se não agirmos, a Comissão irá dar ouvidos apenas às indústrias poluentes e às discórdias entre os governos da UE no que diz respeito à manutenção, ou não, do Acordo Verde. A Comissão tem de dar ouvidos também aos cidadãos: o Acordo Verde é o ponto de partida, mas é claramente insuficiente.

Para constituir um pacote de retoma suficientemente sólido e capaz de enfrentar a crise nas suas vertentes económica, climática e de saúde pública, um verdadeiro Acordo Verde deverá:


  • Dar prioridade ao bem-estar das pessoas na resposta à crise e proporcionar benefícios sociais e proteger os direitos dos trabalhadores por meio de uma "transição justa para todas as pessoas".
  • Aplicar integralmente e intensificar o Acordo Verde Europeu para reorientar a economia, o que é necessário para dar novamente prioridade ao bem-estar no projeto europeu, proteger as pessoas de adversidades como a crise provocada pela COVID-19 e combater as alterações climáticas e a perda de biodiversidade a nível europeu, nacional e internacional. Reforçar e prosseguir a aplicação das metas, estratégias e legislação anunciadas no Acordo Verde Europeu e, sobretudo, reforçar a dimensão social.
  • No caso de setores caracterizados por elevadas emissões de carbono, e noutros potencialmente poluentes, como a agricultura intensiva, fazer depender o apoio às empresas da harmonização das suas práticas com os objetivos ambientais e climáticos; não deverão ser concedidos resgates a indústrias inviáveis ou poluentes que não tenham cabimento na economia do futuro.
  • Estabelecer um considerável Fundo de Retoma Verde e Justo, sustentado por todos os instrumentos financeiros da UE que estiverem disponíveis, para financiar a retoma verde e justa, incluindo um alargamento do quadro financeiro plurianual e dos seus programas de despesas, que destine pelo menos 50% das verbas a metas climáticas e de biodiversidade, bem como novos fundos, a utilização do Mecanismo Europeu de Estabilidade e os chamados “eurobonds”;
  • Orientar o investimento público e privado em todo o processo de retoma utilizando a taxonomia da UE para acelerar a transferência de setores poluentes para setores verdes; de igual forma, o Banco Europeu de Investimento, até ao final de 2020, deverá harmonizar a sua política de concessão de crédito com os objetivos do Acordo Verde Europeu.
  • Em suma, apelamos aos nossos líderes que demonstrem unidade e visão durante esta crise, apresentando o maior programa de investimento verde que o mundo já conheceu. Têm de resistir à tentação de ceder a "soluções" rápidas ou de salvar uma economia insustentável — uma economia socialmente injusta, poluidora, que provoca o aquecimento do nosso planeta, que esgota os recursos naturais e que põe em risco a saúde e o bem-estar da sua população.

    Em vez disso, devemos aproveitar este momento para construir algo novo e claramente mais positivo: uma economia circular e justa, verdadeiramente sustentável, que seja neutra em relação às emissões de carbono, na qual as pessoas e a natureza possam prosperar. Desta forma, poderemos criar empregos verdes de elevada qualidade, combater as alterações climáticas, restaurar a natureza e aumentar a resiliência das nossas economias e sociedades a longo prazo.

    Chegou a altura de nos unirmos para a Europa poder trilhar definitivamente o caminho rumo a uma economia verde e justa. Juntos, vamos conseguir!


    Referências:

    1. https://bit.ly/GreenRecovery_PT
    2. https://lifestyle.sapo.pt/saude/noticias-saude/artigos/confinamento-coloca-em-risco-25-dos-empregos-na-europa ; https://expresso.pt/economia/2020-04-20-Covid-19.-Desemprego-registado-aumenta-9-face-a-fevereiro.-Ha-mais-de-343-mil-desempregados
    3. https://www.publico.pt/2020/03/20/economia/noticia/coronavirus-lei-suspende-despejos-denuncias-contratos-arrendamento-ja-vigor-1908623
    4. Em inglês: https://www.theguardian.com/environment/2020/apr/17/coronavirus-profiteers-condemned-as-polluters-gain-bailout-billions ; https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/mar/31/bailouts-coronavirus-state-aid
    5. https://ionline.sapo.pt/artigo/690703/novo-estudo-indica-que-poluicao-pode-oferecer-boleia-a-coronavirus-?seccao=Mundo
    6. O Plano Marshall, também conhecido por Programa Europeu de Retoma, foi um programa que providenciou ajuda económica à Europa Ocidental após a devastação provocada pela Segunda Guerra Mundial.
    7. Em inglês: https://www.climatechangenews.com/2020/04/09/european-green-deal-must-central-resilient-recovery-covid-19/

    Campanha em parceria com:

    Envie um tweet A Iratxe García, Presidenta do grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D), a Sara Cerdas, eurodeputada do grupo (S&D), a Marisa Matias, vice-presidenta do grupo da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE/NGL) e ao João Ferreira, vice-presidente do grupo GUE/NGL.

    O Parlamento Europeu tentará em breve influenciar a proposta da UE para a reconstrução das nossas economias destruídas. É uma oportunidade para solicitarmos aos deputados que exerçam pressão para as indústrias poluentes serem excluídas dos resgates de fundos públicos!

    A nossa grande petição com mais de 290.000 assinaturas, na qual solicitamos que o próximo plano de recuperação dê prioridade às pessoas e ao planeta, em detrimento das grandes indústrias poluentes, está a crescer e a ganhar força a cada dia que passa. Iremos a presentar esta petição na quarta-feira, antes do debate, e solicitaremos que a mesma seja mencionada oficialmente.

    Envie um tweet diretamente para seus eurodeputados: foram os votos do seu eleitorado que o/a elegeram. É a si que tem de prestar contas!

    Partilhe no Twitter

    Partilhar no Twitter como Não é o seu nome? Clique aqui

    Mail

    Envie um e-mail para seus eurodeputados: foram os votos do seu eleitorado que os elegeram. É a si que tem de prestar contas!

  • Dica 1: Personalize o modelo de e-mail sugerido nesta página para ter maior probabilidade de conseguir receber uma resposta diretamente do seu eurodeputado!
  • Dica 2: Se votou num destes eurodeputados nas últimas eleições europeias, não se esqueça de referir esse facto no modelo de e-mail.
  • Para:

    Está a enviar este e-mail como Não é o seu nome? Clique aqui

    Os destinatários receberão o seu nome e endereço de e-mail. Ao clicar ''Sim, mantenham-me informado/a'', estará a apoiar esta campanha e a consentir que a Movemos a Europa (WeMove.EU) use a sua informação no seguimento desta campanha. Podemos partilhar o seu nome e apelido e o seu país com o destinatário da campanha. A menos que subscreva a fim de receber updates personalisados, apagaremos os deus dados assim que esta campanha terminar. Nunca partilharemos os deus dados com terceiros sem a sua permissão. Leia a nossa política de privacidade completahere.

    Pode contribuir?

    Poderá parecer difícil mudar as coisas, tratando-se de uma única pessoa. A grande vantagem da Movemos a Europa é que, para conseguirmos coisas incríveis, não precisamos de mais nada além da nossa comunidade, desde que cada um de nós faça um pequeno donativo.

    Podemos contar com o seu donativo mensal, por pequeno que seja, para ajudar a nossa comunidade a continuar a trabalhar em prol um plano de retoma verdadeiramente verde e social, que permita fazer face à recessão económica?

    Outras formas de fazer um donativo


    Pode fazer uma transferência bancária para a conta:

    WeMove Europe SCE mbH
    IBAN: DE98 4306 0967 1177 7069 00
    BIC: GENODEM1GLS, GLS Bank
    Berlim, Alemanha

    Faça um donativo periódico

    Faça um donativo único
    A Movemos a Europa procura a maior transparência na sua gestão. Caso deseje saber de que forma despendemos as verbas que angariamos, confira a nossa Política de Donativos.

    Os seus dados pessoais serão tratados de forma confidencial e mantidos em segurança. A partilha destes dados pressupõe que concorda que a Movemos a Europa o mantenha informado sobre campanhas e que aceita a utilização de cookies nos termos da nossa Política de Privacidade .

    Compartilhe esta petição com os seus amigos

    Agradecemos o seu apoio ao nosso combate em prol de um plano de retoma que dê prioridade às pessoas e torne as nossas economias mais ecológicas!

    Conhece outras pessoas que possam estar interessadas nesta campanha? Partilhe a petição com elas ou envie-lhes um e-mail a pedir-lhes que a assinem.

    Está a assinar em nome de Não é o seu nome? Clique aqui